Scalene fala sobre novo álbum

Luana Dornelas / March 20, 2017

A banda brasiliense está no Red Bull Studio gravando seu terceiro álbum

A Scalene é hoje uma das mais importantes bandas de rock do cenário nacional. Formada por Gustavo Bertoni, Tomas Bertoni, Lucas Furtado e Philipe "Makako" a banda brasiliense está na estrada desde 2009 e estourou depois de participar da  segunda temporada do reality show musical Superstar, da Rede Globo, onde terminou como vice-campeã. No ano passado a banda levou pra casa o Grammy Latino de Melhor Álbum de Rock em Língua Portuguesa com o álbum "Éter". Além de tudo, foram confirmados no line-up do Rock in Rio 2017. A banda se apresenta no festival no dia 21 de setembro.

​Durante o mês de março eles estarão no Red Bull Studio gravando o terceiro álbum de sua carreira. Aproveitamos sua passagem por lá e trocamos uma ideia com os meninos pra saber um pouco mais deste novo trabalho que vem aí.

E aí, contem um pouquinho sobre esse novo álbum que vocês estão gravando no Red Bull Studio agora.

Gustavo: Os últimos dois anos da banda foram muito intensos. Fizemos shows pelo Brasil inteiro e tocamos junto com muitas bandas, isso abriu muito nossa cabeça e foi uma das maiores inspirações para este novo trabalho. Neste CD vamos explorar novas sonoridades. Em comparação com nossos álbuns anteriores, este é mais conectado com a realidade.

Quais são as maiores inspirações para este CD?

Gustavo: Estamos escutando muita música brasileira. A convivência que tivemos com bandas nacionais nos inspiraram muito. Neste álbum fizemos um exercício de liberdade maior que os anteriores, fomos mais livres para compor e nos expressar e isso veio com o amadurecimento e confiança da banda nos últimos anos. Realmente é o cd que eu estou mais visceralmente conectado.

Tomas: Fizemos entre nós uma playlist músicas compartilhadas que tem quase 9 horas. Aí vamos ouvindo e nos inspirando.

Lucas: Tem também as bandas que são inspirações sempre, como Thrice, Radiohead, O’Brother…

 Quais bandas brasileiras mais influenciaram vocês neste período?

Tomas: Inky, Far from Alaska, Supercombo, Hover, Medulla, Lenini, Baleia… São muitas, tem muita coisa boa rolando na cena.

Gustavo: Rodamos o brasil em turnê e assim começamos a nos entender melhor como brasileiros e parar de só ser influenciados por artistas gringos. Rolou um redescobrimento da música brasileira da nossa parte, começamos a ouvir artistas mais antigos que nossos pais ouviam.

E o nome do álbum, vocês já tem alguma ideia?

Tomas: Ainda não temos, essa é a última coisa que fazemos geralmente.

Gustavo: Temos algumas palavras mais abstratas tipo magnetismo, transcendentalismo, polaridades… Temos algumas direções, mas por enquanto não chegamos a nenhuma ideia concreta.

A participação no programa Superstar, da Rede Globo, influenciou muito na maneira de como vocês se direcionam artisticamente nos dias de hoje?

Gustavo: O programa foi marcante sim, mas durou apenas 3 meses. A banda já existe há 8, então foi apenas uma vivência entre muitas.

Tomas: Se influenciou em alguma coisa no direcionamento artístico, foi em nos ensinar a não se importar com o que o mercado quer e sim com o que nós queremos. Abriu portas pra explorarmos nossa liberdade.

Fotos: Patrícia Araujo / Red Bull Content Pool