Lourenço Rebetez prepara primeiro disco solo com produção de Arto Lindsay

September 09, 2015

Previsto para o começo do ano que vem, o álbum mistura jazz com ritmos profundamente brasileiros

O compositor e arranjador paulistano de formação jazzística Lourenço Rebetez está com seu álbum de estreia no forno. Quem assina a produção musical é Arto Lindsay, músico e produtor, meio americano, meio brasileiro, cuja trajetória inclui colaborações com artistas como Caetano Veloso, David Byrne, Arnaldo Antunes, Laurie Anderson e Ryuichi Sakamoto.

Trata-se de um disco de jazz, mas Rebetez foi buscar nos ritmos brasileiros, principalmente no candomblé, referências para compor o trabalho. Sons que marcaram sua vida como a Rumpillez, orquestra brasileira de percussão e sopros, e o instrumentista e compositor pernambucano Moacir Santos também são influências citadas para o projeto, que ainda não tem título.

"Minha vontade era fazer um disco de música, não um disco apenas para quem gostasse de jazz", explica. Por essa razão, escalou Lindsay como produtor. "Queria alguém que ouvisse com outra perspectiva e que estivesse fora deste metiê e, ao mesmo tempo, que tivesse um diálogo e algo a acrescentar." Apesar dos universos diferentes - Lindsay transita mais entre a MPB e a música pop - os dois perceberam desde o início uma afinidade musical e gostos em comum, "não somente de artistas, mas de momentos dentro de uma canção, tipos de gravação e relações entre estilos e instrumentos", conta o produtor. ​

Segundo Lindsay, que pela primeira vez produz um trabalho do gênero, o processo tem sido também um aprendizado."A convergência de ritmos brasileiros com o jazz e a música experimental - que tem uma base no jazz - é muito interessante, assim como o estudo da sonoridade do candomblé. Eu entendo mais da prática, mas estou aprendendo um pouco de teoria com este projeto."

​Formado pela prestigiada Berklee College of Music, nos EUA, em guitarra e jazz composition, Lourenço estudou composição popular e ritmos afro-brasileiros com Letieres Leite, da Orkestra Rumpilezz, e composição erudita, piano e percussão brasileira no ciclo avançado da EMESP (Escola de Música do Estado de São Paulo - Tom Jobim).

Para dar vida ao álbum que começou a compor por volta de 2009, ainda na faculdade, o jovem reuniu um time de instrumentistas: um trio de jazz, com baixo acústico, piano e bateria, seis sopros e três percusionistas, além da guitarra, gravada por ele. Foi Lourenço quem escreveu as doze faixas que compõem o disco, mas houve espaço para os músicos, dentre eles Gabi Guedes, líder da percussão da Rumpilezz, contribuírem para a sonoridade do projeto.

O resultado é um disco "dançante e inteligente, com composições ricas e abertas", comenta Lindsay. "Uma parceria que deu e está dando muito certo".