Exclusivo: Ouça “Animania”, o novo disco da INKY

August 22, 2016

Banda adiantou o segundo álbum da carreira em evento no Facebook, saiba mais sobre o novo trabalho.

Esta quinta-feira (18) foi longa para pessoal da INKY. Para divulgar o novo álbum, “Animania”, a banda armou um evento no Facebook chamado 8 horas de INKY.

A cada hora, entre 11h e 19h, uma faixa nova foi disponibilizada e os fãs puderam curtir em primeira mão o som do novo trabalho. Além disso, todos os integrantes ficaram de olho nas redes para responder todas as dúvidas dos fãs que participaram do evento. “A gente queria fazer algo diferente, que convidasse a galera, que deixa o pessoal curioso e quando as música fossem saindo o pessoal já ir compartilhando”, conta Guilherme Silva, baixista da banda.

Assim com o álbum de estreia, "Primal Swag" (2014), “Animania” foi gravado no Red Bull Studio São Paulo, com Rodrigo Funai Costa como engenheiro de som e Alejandra Luciani como assistente.

Uma novidade foi a produção de Guilherme Kastrup (o cara responsável por "A Mulher do Fim do Mundo", de Elza Soares). Como conta Guilherme, Kastrup mergulhou no trabalho com a banda. “Queríamos alguém que ajudasse a gente dar um passo além. Trabalhar com gente que tá afim de fazer a parada é outra coisa”, diz o baixista sobre a rotina com Kastrup no estúdio.

Objetivamente, “Animania” é mais orgânico, direto e acessível que seu antecessor. Mais rock, menos eletrônico, embora mantenha o mesmo espírito da banda. Uma referência fácil aqui é a estranheza pop do Talking Heads. Luiza Pereira, Guilherme Silva, Stephan Feitsma, Luccas Villela optaram por serem menos experimentais , mas não menos atento aos timbres, detalhes e estranhezas des suas música. 

A INKY também manteve sua onda de compor enquanto realizava longas jams, uma característica importante no som do grupo. Porém, ele reformularam essa ideia e trabalharam pesado para que todas as ideias das longas sessões de improviso virassem canções bem formatadas. Um cuidado que está refletido na tracklist, que caminha entre o barulho, a calma e o barulho, e nas letras, escritas pela primeira vez só por Luiza - a única exceção é a faixa "Dualism", com vocal do Gui. 

“Acho que esse disco veio pra mostrar um outro lado do nosso trabalho e a nossa evolução artistica e pessoal. Nosso objetivo é continuar crescendo, circulando pelo Brasil e pelo mundo, tocando em festivais importantes e podendo trabalhar com pessoas que a gente admira. Acho que esse disco vai trazer a gente pra um público que talvez achasse o "Primal Swag" muito experimental e pode permitir que a gente circule um pouco fora do circuito alternativo”, resumiu bem a banda no Facebook.

Ouça “Animania” na íntegra e leia outros pontos altos das curiosidade que a INKY escreveu durante o pré-lançamento do álbum no Face.

 

Letras

Luiza: “Sempre escrevo a letra quando já tenho a melodia pronta. Pra esse disco, quis que absolutamente tudo que eu cantasse fosse escrito por mim e minha melodia. Pra mim, era importante que esse disco tivesse a minha perspectiva e falasse sobre tudo que permeia a minha realidade. Eu sempre gostei muito de escrever, mas no primal swag tivemos uma relacao mais descompromissada com as letras, a mensagem nao vinha dali. No Animania foi diferente.”

“Eu tava muito preocupada não so com a temática, mas com a poesia, com o jeito de abordar os assuntos pra esse disco. Foi a parte do processo que me causou mais insegurança. Assumir o conteúdo do disco nesse aspecto e me colocar a frente como cantora e compositora foi bem dificil.”

Processo de composição

Stephan Feitsma: "Acho que a parte mais difícil é o processo de fazer as jams virarem música. Por estarmos tocando direto juntos surge muita ideia, daí tem que achar o equilibrio do que fica, do que é jogado fora, como encaixar uma parte em outra, etc. Uma vez que definimos isso a música vai tomando forma de uma maneira mais tranquila."

De onde veio o nome do disco

Luiza: "O nome do disco é a junção das palavras anima+animal+mania. deixo esse mistério."

Experiência após turnês internacionais

Luiza: "Acho que na performance de palco que trouxemos pro disco, na nossa evolucao pessoal e artistica, nas referencias que tivemos contato durante essas tours. Novas bandas, novos generos, ritmos, pessoas, etc…"

Capa do disco + identidade visual da banda

Luiza: "Acho que a nossa identidade visual vem muito da nossa proposta sonora. É o nosso gosto pessoal com a vontade de imprimir o que a gente passa como banda, Essa capa linda é uma foto do Jonas Tucci, que a gente deu uma mexida nas cores e fizemos a arte em cima disso. Arte INKY com execucao e maestria do Luccas, nosso batera."